Quarta-feira, 1 de Junho de 2011

DIREITO AO ASSUNTO

Vou votar no PS. O que não será grande novidade para quem lê regularmente esta coluna de opinião.


Em certos países quem escreve e opina ou até os próprios meios de comunicação fazem este tipo de declaração. É mais honesto e transparente. Por cá prefere-se o falso independente.


A minha escolha é convicta e assenta em razões bem ponderadas. Não sou militante de nenhum partido, não tenho cargos nem benesses a defender, nunca recebi um subsídio do governo. No essencial sou anarquista. Não gosto do Estado, nem da autoridade. Gosto da liberdade. Gosto da iniciativa dos indivíduos, da sua criatividade e ambição.

Entendo a necessidade de um Estado Social que proteja os mais fracos, mas esse não é para mim um assunto determinante. Parece-me aliás excessivo o tempo e espaço que esta temática tem ocupado a campanha. E afigura-se também pouco racional do ponto de vista eleitoral. Faz algum sentido ver três partidos, PC, Bloco e CDS, disputarem tanto o voto dos dois milhões de pobres que existem em Portugal? Ainda mais sabendo-se que parte significativa deles não vê debates na televisão, não lê jornais e muito menos vai a comícios?


Julgo que é uma coisa de tipo religioso. Estes partidos querem demonstrar que são os que melhor cuidam dos pobrezinhos, talvez na esperança de que essa vocação caritativa conquiste alguns votos na classe média. Não é uma boa ideia. Seria melhor falar diretamente para os oito milhões que não são pobres e que têm os seus problemas e expectativas, sobretudo em tempo de crise económica.


O mundo tem sofrido mudanças velozes e radicais. As novas tecnologias têm vindo a alterar modos de fazer, profissões e projetos empresariais. O obsoletismo impera. As falências afetam todos aqueles que não se modernizam. O analfabetismo tecnológico incapacita e atira para o desemprego multidões de inadaptados.


A solução não está definitivamente no assistencialismo social. Mais do que subsidiar é preciso investir na educação e nas competências. E isso consegue-se com uma escola pública moderna e com programas como o das Novas Oportunidades.


A educação continuada ao longo da vida, de toda a população, é aliás a única maneira de se ganhar competitividade num mundo globalizado. Só o conhecimento, a criatividade e a inovação podem permitir o crescimento económico e com este menos desemprego e menos miséria.


O PS é o único partido que afirma, com convicção e determinação, esta visão. Nunca vi o PSD fazê-lo e, pelo contrário, são muitos os sinais de desprezo pela educação e pelo conhecimento. Temo que um governo de direita possa travar a evolução muito positiva de Portugal na ciência e na inovação. Pode dizer-se todo o mal do ainda atual governo. Pode mesmo odiar-se Sócrates. Mas ninguém de boa-fé pode deixar de reconhecer que o nosso país deu saltos muito significativos nalguns dos domínios mais competitivos do mundo de hoje. Aliás, o sucesso do setor exportador é consequência direta das políticas seguidas na última década. Da investigação científica às energias renováveis, da modernização da Administração Pública à criatividade e ao design, são muitos os exemplos de um aumento importante na qualidade do que é feito e produzido em Portugal.

A razão do meu voto é pois esta, e praticamente só esta. Gostaria de ver o meu país continuar numa linha de forte e acelerado desenvolvimento científico, tecnológico e criativo. Na minha perspetiva, tudo o resto é secundário. As historietas diárias montadas pela direita; as propostas irrealistas da esquerda radical; o discurso dos economistas que olham demasiado para os números e nada para a realidade evolutiva do mundo; os comentários agressivos e irracionais; tudo me parece irrelevante e lateral.

Neste momento de enorme barafunda e de tanta falsa e ilusória saída para a crise é preciso ir direito ao assunto. Escolher em função daquilo que realmente é determinante para o nosso futuro coletivo e deixarmos de perder tempo com o ruído próprio de uma campanha, como todas, sempre pouco esclarecedora e muita geradora de confusão mental. Um pouco mais de lucidez não fica mal a ninguém.

 

Leonel Moura

in Jornal de Negócios

publicado por Manuel M. Oliveira às 00:21
link do post | comentar | favorito
zeca.jpg




# # online #

dois_dedos@hotmail.com

Blog anterior
2 Dedos (1)


Tempo em Gondomar

»Junho 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

»Agenda


»Frase


"A vida é uma pedra de amolar: ela vos desgasta ou afia, conforme o metal de que sois feitos."

Bernard Shaw

»Música




"Vamos fazer o que ainda não foi feito"
PEDRO ABRUNHOSA

»Posts recentes

» Nós também somos da esque...

» Construir o Futuro.

» Defender Portugal

» DIA 05.JUNHO, VOTA PS!

» JOSÉ SÓCRATES EM ARRUADA ...

» ...

» ...

» ...

» ...

» ...

» ...

» ...

»Arquivos

» Junho 2011

» Maio 2011

» Abril 2011

» Março 2011

» Fevereiro 2011

» Janeiro 2011

» Dezembro 2010

» Novembro 2010

» Outubro 2010

» Setembro 2010

» Agosto 2010

» Julho 2010

» Junho 2010

» Maio 2010

» Abril 2010

» Março 2010

» Fevereiro 2010

» Janeiro 2010

» Dezembro 2009

» Novembro 2009

» Outubro 2009

» Setembro 2009

» Agosto 2009

» Julho 2009

» Junho 2009

» Maio 2009

» Abril 2009

» Fevereiro 2009

» Janeiro 2009

» Dezembro 2008

» Novembro 2008

» Outubro 2008

» Setembro 2008

» Agosto 2008

» Julho 2008

» Junho 2008

» Maio 2008

» Abril 2008

» Março 2008

» Fevereiro 2008

» Janeiro 2008

»Dedilhamos

»Pesquisar no blog

 
Força

Portugal! Portugal!
bandportugal.gif
Portugal! Portugal!
povo.jpg

»Projecto Esperança