Quarta-feira, 26 de Março de 2008

SOMOS UNS CHORÕES…

Um país próspero


Ficou ontem a saber-se, pelo "Times", que Portugal é um dos 20 países mais "estáveis e prósperos" do Mundo. O jornal cita um estudo da Jane's Information Services realizado ao longo de um ano em 235 países e territórios, que põe Portugal, no que toca a "estabilidade e prosperidade", acima da Noruega, França, Canadá, EUA, Japão, Espanha e Itália, e até da famosa Finlândia. O estudo levou em conta as estruturas políticas, tendências sociais e económicas, riscos militares e de segurança e relações externas de cada país. Vaticano, Suécia, Luxemburgo, Mónaco, Gibraltar, S. Marino, Liechtenstein, Inglaterra, Holanda e Irlanda são o "top ten" da "estabilidade e da prosperidade"; Gaza/Cisjordânia, Somália e Sudão os lugares menos "estáveis e prósperos" do Mundo. Portugal está em 18.º lugar, logo após a Suíça. No mesmo dia em que foi divulgado que milhares de famílias portuguesas deixaram, em virtude do desemprego e da deterioração das condições de trabalho, de poder pagar as suas dívidas, que o crédito malparado subiu a um ritmo de 2,2 milhões de euros por dia no mês de Janeiro (mais 70 milhões de euros do que em Dezembro) e que o endividamento das empresas cresce exponencialmente, é reconfortante descobrir num jornal inglês que somos afinal um país próspero.”

 

Manuel  António Pina

in JN – 2008/03/26

 

 

Somos uns chorões, é o que somos…

 

 

PS.: Neste momento estamos novamente a perder com a Grécia. E o IVA vai baixar 1%. Habituem-se!

publicado por Manuel M. Oliveira às 20:17
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Segunda-feira, 24 de Março de 2008

AL BERTO

A ESCRITA

 

a escrita é a minha primeira morada de silêncio
a segunda irrompe do corpo movendo-se por trás das palavras
extensas praias vazias onde o mar nunca chegou
deserto onde os dedos murmuram o último crime
escrever-te continuamente... areia e mais areia
construindo no sangue altíssimas paredes de nada

 

esta paixão pelos objectos que guardaste
esta pele-memória exalando não sei que desastre
a língua de limos

 

espalhávamos sementes de cicuta pelo nevoeiro dos sonhos
as manhãs chegavam como um gemido estelar
e eu perseguia teu rasto de esperma à beira-mar

 

outros corpos de salsugem atravessam o silêncio
desta morada erguida na precária saliva do crepúsculo

 

 

HOJE É DIA

 

hoje é dia de coisas simples
(Ai de mim! Que desgraça!
O creme da terra não voltará a aparecer!)
coisas simples como ir contigo ao restaurante
ler o horóscopo e os pequenos escândalos
folhear revistas pornográficas e
demorarmo-nos dentro da banheira

 

na aldeia pouco há a fazer
falaremos do tempo com os olhos presos dentro das chávenas
inventaremos palavras cruzadas na areia... jogos
e murmúrios de dedos por baixo da mesa
beberemos café
sorriremos às pessoas e às coisas
caminharemos lado a lado os ombros tocando-se
(se estivesses aqui!)
em silêncio olharíamos a foz do rio
e o brincar agitado do sol nas mãos das crianças descalças
hoje

 

 

É NO SILÊNCIO

 

é no silêncio
que melhor ludribio a morte

 

não
já não me prendo a nada
mantenho-me suspenso neste fim de século
reaprendo os dias para a eternidade
porque onde termina o corpo deve começar outra coisa outro corpo

 

ouço o rumor do vento
vai
alma vai
até onde quiseres ir

 

 

MUDANÇA DE ESTAÇÃO

 

para te manteres vivo - todas as manhãs
arrumas a casa sacodes tapetes limpas o pó e
o mesmo fazes com a alma - puxas-lhe o brilho
regas o coração e o grande feto verde-granulado

 

deixas o verão deslizar de mansinho
para o cobre luminoso do outono e
às primeiras chuvadas recomeças a escrever
como se em ti fertilizasses uma terra generosa
cansada de pousio - uma terra
necessitada de águas de sons afectos para
intensificar o esplendor do teu firmamento

 

passa um bando de andorinhas rente à janela
sobrevoam o rosto que surge do mar - crepúsculo
donde se soltaram as abelhas incompreensíveis
da memória

 

luzeiros marinhos sobre a pele - peixes
que se enforcam com a corda de noctilucos
estendida nesta mudança de estação

publicado por Manuel M. Oliveira às 00:49
link do post | comentar | favorito

AMOR NÃO SENTIMENTO NÃO TERNURA

amor não sentimento não ternura
não desejo não sexo não amor
amor nada concreto não os olhos
preso nunca no peito não por certo

 

amor fascínio fuga sal sedento
não ângulo não vértice de vidro
não as ruas desertas pensamento
amor não sentimento não sentido

 

não amor não entrega nunca posse
a fuga porque não nada fragmento
não amor por amor nunca deserto

 

amor não violento não de vento
não amor desejado mão de invento
amor sempre de não de tempo a tempo

 

E. M. de Mello e Castro
publicado por Manuel M. Oliveira às 00:39
link do post | comentar | favorito

DIZ-ME O TEU NOME

Diz-me o teu nome - agora, que perdi
quase tudo, um nome pode ser o princípio
de alguma coisa. Escreve-o na minha mão

 

com os teus dedos - como as poeiras se
escrevem, irrequietas, nos caminhos e os
lobos mancham o lençol da neve com os
sinais da sua fome. Sopra-mo no ouvido,

 

como a levares as palavras de um livro para
dentro de outro - assim conquista o vento
o tímpano das grutas e entra o bafo do verão
na casa fria. E, antes de partires, pousa-o

 

nos meus lábios devagar: é um poema
açucarado que se derrete na boca e arde
como a primeira menta da infância.

 

Ninguém esquece um corpo que teve
nos braços um segundo - um nome sim.

 

Maria do Rosário Pedreira
publicado por Manuel M. Oliveira às 00:38
link do post | comentar | favorito

OS SILÊNCIOS DA FALA

São tantos

os silêncios da fala

 

De sede
De saliva
De suor

 

Silêncios de silex
no corpo do silêncio

 

Silêncios de vento
de mar
e de torpor

 

De amor

 

Depois, há as jarras
com rosas de silêncio

 

Os gemidos
nas camas

 

As ancas
O sabor

 

O silêncio que posto
em cima do silêncio
usurpa do silêncio o seu magro labor.

 

Maria Tereza Horta

publicado por Manuel M. Oliveira às 00:35
link do post | comentar | favorito
Sábado, 15 de Março de 2008

NAMBUANGONGO, MEU AMOR

 

 

Em Nambuangongo tu não viste nada
não viste nada nesse dia longo longo
a cabeça cortada
e a flor bombardeada
não tu não viste nada em Nambuangongo
...
Falavas
de Hiroxima tu que nunca viste

em cada homem um morto que não morre.
Sim nós sabemos Hiroxima é triste
mas ouve em Nambuangongo existe
em cada homem um rio que não corre.


Manuel Alegre

 

publicado por Manuel M. Oliveira às 21:00
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 11 de Março de 2008

HINO À VIDA



ballet - Hand in Hand

 

bailarinos:     Ma Li   e   Zhai Xiaowei

coreografia:     Zhao Limin

música:     San Bao
publicado por Manuel M. Oliveira às 21:49
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 3 de Março de 2008

"Uma FLOR por Maria de Lourdes Pintasilgo"



ASSOCIAÇÃO ABRIL convida para o  lançamento do livro de Homenagem a Maria de Lourdes Pintasilgo : "Uma FLOR por Maria de Lourdes Pintasilgo", que se irá realizar no dia 07 de Março, pelas 18.30h, na Livraria da Assembleia da República.

A sessão será apresentada pelo jornalista Adelino Gomes e contará com os músicos Manuel Freire, Luanda Cozetti e Norton Daiello.

publicado por Manuel M. Oliveira às 23:29
link do post | comentar | favorito

EDUCAÇÃO, MANIPULAÇÃO E CIDADANIA

 

 

Todo o problema actual na educação, havendo efectivamente um problema e não pequeno, é passado para a opinião pública como uma ofensiva agressiva contra os professores, assistindo-se agora à reacção das vítimas. Como se a escola se reduzisse ao binómio ministérios-professores, desaguando num problema laboral entre as partes. Esta concentração de protagonismos, gerada pela arrogância ministerial e pelo enorme poder corporativo acumulado pelo sindicalismo do ensino, indica que as escolas existem para o ministério ditar sentenças e os professores reagirem, como se a escola fosse um mero local de trabalho cuja finalidade é dar emprego aos professores. Neste afunilamento, o ensino afasta-se do conceito de serviço público, perdendo-se a perspectiva que a escola serve os alunos, os “clientes finais”, ensinando-os, com a obrigação de os ensinar bem, cada vez melhor.

 

 

in http://agualisa6.blogs.sapo.pt/

publicado por Manuel M. Oliveira às 23:01
link do post | comentar | favorito
zeca.jpg




# # online #

dois_dedos@hotmail.com

Blog anterior
2 Dedos (1)


Tempo em Gondomar

»Junho 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

»Agenda


»Frase


"A vida é uma pedra de amolar: ela vos desgasta ou afia, conforme o metal de que sois feitos."

Bernard Shaw

»Música




"Vamos fazer o que ainda não foi feito"
PEDRO ABRUNHOSA

»Posts recentes

» Nós também somos da esque...

» Construir o Futuro.

» Defender Portugal

» DIA 05.JUNHO, VOTA PS!

» JOSÉ SÓCRATES EM ARRUADA ...

» ...

» ...

» ...

» ...

» ...

» ...

» ...

»Arquivos

» Junho 2011

» Maio 2011

» Abril 2011

» Março 2011

» Fevereiro 2011

» Janeiro 2011

» Dezembro 2010

» Novembro 2010

» Outubro 2010

» Setembro 2010

» Agosto 2010

» Julho 2010

» Junho 2010

» Maio 2010

» Abril 2010

» Março 2010

» Fevereiro 2010

» Janeiro 2010

» Dezembro 2009

» Novembro 2009

» Outubro 2009

» Setembro 2009

» Agosto 2009

» Julho 2009

» Junho 2009

» Maio 2009

» Abril 2009

» Fevereiro 2009

» Janeiro 2009

» Dezembro 2008

» Novembro 2008

» Outubro 2008

» Setembro 2008

» Agosto 2008

» Julho 2008

» Junho 2008

» Maio 2008

» Abril 2008

» Março 2008

» Fevereiro 2008

» Janeiro 2008

»Dedilhamos

»Pesquisar no blog

 
Força

Portugal! Portugal!
bandportugal.gif
Portugal! Portugal!
povo.jpg

»Projecto Esperança